domingo, 14 de setembro de 2014

CIRCULO VICIOSO: AUTO-SABOTAGEM

Por Lucas Rafael

Os mesmos desejos, os mesmos erros de vidas passadas, os mesmos erros dos antecedentes e ancestrais; os mesmo erros dos pais, os mesmos erros dos familiares, os mesmos erros iguais.
Os mesmos relacionamentos, as mesmas paixões, as mesmas características e perfis de parceiros, as mesmas decepções, as mesmas frustrações, a mesma paixão pelos mesmos erros, todas iguais.
Os mesmos trabalhos e empregos, os mesmos patrões, os mesmos colegas, as mesmas fofocas, as mesmas competições internas, as mesmas invejas e as mesmas reclamações. Os mesmos caminhos, Hobbies, atividades e gosto de todos, o mesmo padrão, o mesmo estilo de vida, o mesmo erro de todos, os mesmos erros iguais.
 Os mesmos pensamentos negativos, as mesmas desconfianças, as mesmas intrigas, as mesmas raivas e cobiças, as mesmas dores e lamentações, o mesmo estresse de todos, as mesmas doenças e vícios, os mesmos crimes, as mesmas traições, o mesmo comportamento todos os dias, o mesmo desejo de vingança, o mesmo egocentrismo, a mesma falta de solidariedade, empatia, altruísmo e amor...
 Por que não fazer dessa vez diferente, e não deixarmos de sermos iguais?  

terça-feira, 1 de julho de 2014

Dicas para tornar-se um bom jogador de Xadrez

Por Lucas Rafael

A maioria das pessoas que dizem que sabem jogar xadrez, na verdade sabem mover as peças, e às vezes, fazem os movimentos de forma errônea, sem sentido ou irregular.  
No xadrez, assim como qualquer esporte ou área científica, é preciso que se tenha muita prática e muito estudo.
Segue abaixo algumas dicas para começar a desenvolver melhor o seu jogo:

Tabuleiro
- O xadrez é uma simulação de guerra. Sendo assim, podemos considerar o tabuleiro como um “Campo de Batalha”. Portanto, é preciso conhecer bem as casas do tabuleiro, as linhas, colunas, diagonais, posição do tabuleiro e as posições iniciais das peças;

Literatura
- Escolha uma literatura básica para estudar. Infelizmente a parte mais prazerosa do xadrez, que é a prática, evolui muito lentamente o desenvolvimento do jogo. Sendo assim, recomendo a começar o estudo enxadrístico através de livros para jogadores iniciantes. 
O melhor livro que eu li o qual aborda desde o básico até o avançado, é o clássico “Meu Sistema”, escrito pelo Grande Mestre Nimzovich;

Abertura
A maioria dos iniciantes gostam de aprender, e com isso, passam muito tempo estudando as aberturas do xadrez.  De acordo com a Oxford Companion to Chess, existem mais de 1320 aberturas e variantes no jogo de xadrez. Por isso, recomendo que se estude apenas 1 abertura para as peças brancas e 1 abertura para as peças pretas. Com isso, o estudante fica mais focado e tem mais chances de desenvolver o seu jogo;

Jogue com jogadores mais fortes
Muitas pessoas gostam de jogar algo desde que tenham muitas chances de vencer. No entanto, para aprender e a melhorar-se, é preciso que se aprenda com os jogadores mais experientes. Se não for possível jogar sempre com jogadores mais fortes, observe eles jogarem ou analise partidas de grandes jogadores no passado. Em resumo, você aprende muito mais perdendo para jogadores mais fortes do que ganhando de jogadores mais fracos;


Exercícios

Procure sempre fazer exercícios do jogo de xadrez em todos os aspectos. A maioria dos estudantes gostam de exercícios táticos, os quais são muito importantes, todavia é preciso que se exercite também o meio jogo, a parte estratégica, e principalmente, os finais das partidas.

terça-feira, 29 de abril de 2014

A gente aprende

Por Lucas Rafael

A gente aprende que as dificuldades não podem ser desculpas, pois a vida também é sinônimo de dor e cabe a cada um de nós aliviarmos os nossos próprios sofrimentos.
E a gente aprende que a inteligência, conhecimento e a sapiência são qualidades distintas, assim como podemos ter todas de uma só vez, ou não termos nenhuma ao mesmo tempo.
E nós também aprendemos que ganhar dinheiro é fácil, o difícil é arcar com o preço de consegui-lo.
A gente aprende a conviver com milhares de pessoas e ficarmos sozinhos ao mesmo. Mas também, aprendemos a estarmos sozinhos, entretanto, estarmos guiados por algumas (pessoas).  
Aprendemos que o amor é diferente de paixão, assim como aprendemos a se apaixonar, a se apaixonar por uma noite e a passar uma noite com alguém sem se apaixonar.
Aprendemos duramente que a imperfeição é muito grande, por enquanto, muitas coisas não poderão mudar. Tristemente, aprendemos que é mais fácil alguém muito inteligente aprender a disfarçar a sua inteligência para que se consiga a conviver ao meio dos ignorantes, do que aos ignorantes se esforçarem para serem inteligentes e tentarem compreender alguém em busca de um desenvolvimento maior.
Por mais louco que seja, aprendemos que a doença é importante para que o homem aprenda a desacelerar seus pensamentos e ambições, e que a morte é uma benção e não uma desgraça, já que o mais importante é como se vive e o que se faz para se viver.


sábado, 12 de abril de 2014

Allein



von Lucas Rafael

Die Sonne scheint mir raus den Augen und scheint mir aus Händen, 
Ein Lied legt sich schmerzend auf die Brust, Ich bin kalt und regungslos.
Ich weiß nicht wie du heißt auf Ich finde dich! 
Ich weine leise in die Zeit, ein Sturm kommt auf und es wird Nacht, so ich Ausschlafe.
Ich möchte Donaudampfschifffahrtsgesellschaftskapitaenswitwe sein!
Und wünsch mir, dass ich eine Liebe. Saungen fest na deinen Lippen. 
Das Lied ist ein wildes Tier also frisst mich auf mit Haut und Haaren,
Lässt sich fallen weis wie Schnee...
Und ich habe alles also Ich fühle mich allein, ich will nicht mehr (sein) hier!

AURA


Por Lucas Rafael

“Sustento que o sentimento religioso cósmico é o mais forte e o mais nobre incitamento à pesquisa cientifica.” (Albert Einstein)

Névoa invisível aos olhos das pessoas com sensibilidade comum. Anomalia genética localizada na glândula pineal aos olhos dos cientistas da matéria. Energia espiritual, elemento etéreo que envolve o corpo dos seres vivos observados pelos (lunáticos) místicos através do Campo de Energia Universal.
Estado intermediário entre a energia e a matéria. Estado emocional, mental e astral.
Prama, Chi, Ki, Cabala e Cosmo, 7 Chakras a se ajustar. Olhar analítico da 3° visão, energia captada através do olhar.
Loucura, irracionalidade surtada, prova viva da existência de Deus. Através de outros olhos começo a enxergar o universo mais divino, e a entender que não estamos sós.
Cores lindas, difícil de acreditar! Aos apaixonados podem-se ver rosas, aos inteligentes e bem espiritualizados a cor amarela pode-se observar. E aos raros bens intencionados a cor violeta se apresenta (é a cor mais bela que já vi), azul claro para as pessoas que estão se esforçando no caminho verdadeiro e branco (porque não é revelada a cor, a princípio) para os demais.
O seu tamanho também conta. Névoa cinza claro quase transparente rente à superfície das mãos (um pequeno indício para os incrédulos), campo branco a um palmo rente ao corpo das pessoas em estado normal. Névoa enorme, gigante, assim é quando a pessoa está feliz. E quando muitas pessoas estão juntas, as névoas se unem, formando uma névoa só.
Fumaça cinza quando alguém está triste, pontos vermelhos no ar quando alguém está furioso, pontos laranja quando o desejo da carne está alto, nem todas as cores são prazerosas de olhar. É Lilás (nos objetos) quando com muito carinho recebemos um presente, e normalmente, as mesmas cores dos donos se encontram nos animais.
As flores são possíveis de dizer se são falsas ou verdadeiras sem precisar tocá-las. Nas flores dos vasos o azul ciano é possível encontrar, enquanto o rosa avermelhado aparece nos topos das árvores, principalmente na primavera. Minúsculos pontos pretos e brancos estão no meio do céu azul em todo lugar.
Helmont, Mesmer, Wilhelm von Reichenbach, Dr. William Kilner, Hiroshi Motoyama, Dra. Valorie Hunt, Barbara Ann Brennan, Fotografia de Kirlian e eu já não me sinto só!
Sei que um dia todos verão mais do que eu vejo, mas até lá, continuarei a estudar e trabalhar de uma maneira disfarçada, ajudando aos poucos como eu puder.

VIDAS PASSADAS


Por Lucas Rafael
Idade Média - Império Nipônico
Samurai de grande nome e bens materiais;
 Astuto, inteligente, orgulhoso e sagaz;
Impaciente, ansioso, revoltado e nervoso;
Indeciso, ateu, materialista não esperançoso;  
Estrategista, bom jogador de Go, estudioso,  lutador;
Desapegado, acostumado a ser servido, não sabia o que era amor;
Conhecedor de outras línguas, habilidade de negociar;
Amigos importantes, só os melhores para conquistar;
Gueixas tratadas como objetos, sentimentos bloqueados;
O que busca esse homem? O que ele quer encontrar?
Morto por sua própria irmã em sua última batalha;
Dado uma nova chance de recomeçar.

1° Guerra – Europa
Espiã, vaidosa, orgulhosa, arrogante;
Desapegada, vivia cada momento, vivia cada instante;
Ingleses, Espanhóis, Italianos, Franceses, Russos e Alemães,
seduzidos em suas próprias línguas maternas, tratados como cães;
Estrategista, perigosa, jogadora sem pudor;
Uma vida inteira de desafios sem saber o que é amor;
Sensitiva, intuitiva, acreditava sempre na razão;
Acreditava que a sua mente era mais importante que o coração;
Desencarnada, desiludida, queria começar tudo de novo;
Mais uma chance lhe foi dada  a partir de 1988...

08/04/2014

domingo, 6 de abril de 2014

Las flores

(Por Lucas Rafael) 

Muchos hombres buscan las flores en diferentes campos, mientras  que se buscan podría encontrarse en una sola rosa. Yo no he encontrado mi rosa aún, sin embargo debe de ser porque no quiero  conseguirla o no estoy listo para esto.
En mi caminos hasta los jardines yo encontré muchas flores, muchas especiales, otras no tanto. La primera flor que me pareció era un hibisco.  No es muy hermosa, pero tiene su encanto. Yo estaba confundido porque nunca había mirado una flor antes,  poco a poco me estaba  entregando me,  inolvidable para mi.
Esta flor me contó muchas historias. Yo, inocente, no me cuestionaba, solamente escuchava.
¡La flor de hibisco no se vive más que un dia! De outra manera yo ya sabía que ninguna promesa rota sin cumplir.  
No había un medio camino,  la siguiente flor que yo conocí era Saffron Crocus. No se fue una solamente, pero yo conocí muchas mientras mi vida. Las Saffron Crocus son flores muy calientes, todavia son flores costosas, peligrosas y sin romance. En la primera vista ellas se ven atractivas, empero cuando es conocido el fondo,   descubre la podredumbre.  
¡Yo conoci también flores muy hermosas, con dulce olor! Ellas son las Sakura.
Sin embargo, a pesar de todas esas cualidades, las Sakura son casi inacessibles porque ellas viven lejos.  Es triste las manañas gris sin besos de nadie, me sinto yendo en el vazio entre una multitud. Dicen que la vida no es como la ves y para aprender hay que caer. Yo caí muchas vezes, se sí puede hablar así.       
                                                                                                                                        ¡Qué curioso son los Girasoles! Medio angel y medio cruel. Es algo cálido, es algo íntimo, prohibido, mucha perversión. No se puede amar um Girasol porque es tan débil como un pétalo de flor. En esta vida hay que probarlo todo, todavia pocos girasoles me son atractivos, pero nos es facil de olvidar.  

¡Nada ocurre por casualidad y no soy yo quien iba decirmelo!    Las Victorias Amazônicas son las flores que me atraen más. Ellas tienen muy experiencia,  saben lo que quieren, son objectivas y peligrosas. ¡Desafíe a mi intelecto y la mi intuición! No me gusta enseñar las flores sin experiencia.  
 Yo me encotré tambíen con las Gipsofilas. Como se juega el destino, no puedo valerme de ellas. Ellas son inocentes y no me puedo disfrutar.               Así es la vida de las flores, es algo que atraviesa el cuerpo de deseo y la alma. No te digo como, pero ocurre justo. Tengo que tener más paciencia quizá, pero me voy a ser un bueno jardinero un día. Soñaré, se tienes siempre que buscar, por eso espérame  cariño  mio, le buscaré, lo juro que le encontraré, aunque tuviera que buscar en un millón de jardínes más. 

segunda-feira, 24 de março de 2014

Aprendendo a Perdoar

                                                                       Por Lucas Rafael


É necessário que se aprenda a perdoar todos os dias, não porque somos bons ou porque queremos ir para o céu, mas para não permitirmos que as nossas mágoas tornem-se obstáculos para a realização de nossos sonhos e objetivos.

É preciso perdoar aos nossos pais, pois nem sempre eles puderam nos preparar para as armadilhas do mundo, aos nossos irmãos que estão tão perto e ao mesmo tempo tão distantes, aos nossos parentes que nos unem apenas por laços consanguíneos e aos nossos amigos, que se afastam e que seguem seus caminhos sem nos avisar.


É preciso perdoar aos nossos chefes e encarregados, porque nem sempre eles têm a capacidade de perceber o nosso valor. É importante perdoar as empresas que não nos contratam ou nos demitem, porque são administradas por humanos e têm o direito de errar. E aos nossos colegas de trabalho, porque às vezes, por mais que tentem, eles não têm condições e nem vontade para melhorar.


E é preciso perdoar as pessoas mais velhas, já que elas viveram em outros tempos, e, quase sempre, não sabem como nos ajudar a superar os nossos contemporâneos medos, e as crianças, as quais ainda estão na fase de sonhar.


É necessário perdoar uma paixão não correspondida para que possamos estar aptos a conhecermos novas pessoas, e perdoar o término de um romance, para que outras histórias possam se consolidar.

Devemos perdoar os religiosos, pois só enxergam com os olhos da religião, e aos teóricos que filosofam sem saberem praticar. E é muito importante aprender a perdoar as pessoas ignorantes e as menos inteligentes, pois elas têm muito ainda a conquistar.

E é essencial aprendermos a nos perdoar acima de tudo, porque somos feitos de erros e precisamos sempre recomeçar, e a perdoar a vida, que nem todos os dias nos permitirá sermos felizes, mas apesar de tudo, é preciso continuar...

sexta-feira, 28 de fevereiro de 2014

"A NOSSA REALIDADE: CHARCOT- MARIE-TOOTH"

Boletim o qual eu tive o prazer de trabalhar como designer para a Associação Brasileira de Charcot-Marie-Tooth.


Link: 1° Boletim - Completo



Introdução



Sejam muito bem-vindos ao primeiro boletim informativo da ABCMT – Associação Brasileira dos Portado-
res de Charcot-Marie-Tooth. Ele nasce em uma data muito especial, 28 de Fevereiro – Dia Mundial das Doenças Raras e tem como objetivo ser mais uma forma de comunicação entre nós – pacientes, familiares, amigos, profissionais de saúde. Afinal, a tomada de consciência e o acesso à informação são passos importantes 
para o melhor enfrentamento da doença. 
Traremos com afinco e seriedade as últimas notícias das pesquisas e tratamentos da síndrome CMT, através de artigos e entrevistas com os múltiplos profissionais estudiosos da mesma. Falaremos das políticas públicas, acessibilidade, quais são nossos direitos legais e todas as questões de nosso interesse.

Autores: Ana Carla Quintana Gomes, Ângela Mérici Alves, Denise Costa de Melo, Lucas Rafael de Moura, Luiz Alexandre Souza, Naira Brandão e Tânia Dornellas

quinta-feira, 13 de fevereiro de 2014

Muito Estranho



Por Lucas Rafael

É muito estranho quando se vive em dois mundos ao mesmo tempo, assim como é estranho poder enxergar o que a maioria não consegue ver.
É muito estranho quando se sabe os sentimentos sem usar palavras, ou as intenções, as mágoas, raiva e o preconceito sem ao menos se tocar.
É muito estranho sentir o sentimento de quem está sentindo, e mais estranho ainda, é a dificuldade de se livrar.
É muito estranho conversar com alguém e ver as suas luzes, e mais estranho ainda é não saber como ajudar. É muito estranho poder enxergar algumas cores, como é estranho, saber quando ninguém te entende, e os que entendem não sabem como ajudar.
É muito estranho ter que disfarçar toda a inteligência em todos os ambientes em que frequenta, assim como é estranho ter habilidades e não saber como usar.
É muito estranho caminhar ao contrário do caminho que a maioria caminha, ainda mais quando há tão poucos dispostos a ajudar a caminhar. E é tão difícil sonhar o que a maioria não sonha, e acordar e a perceber que tudo está no mesmo lugar.
E é muito estranho ser cobrado por algo que não sabe ao certo o que se deve pagar, assim como é estranho tentar fugir e ser empurrado sempre para o mesmo lugar.
E essa é uma dor que só os solitários entendem, mas mais que isso, é uma missão, que por mais difícil que seja, é preciso passar...