segunda-feira, 8 de abril de 2013

DESCRIÇÃO DO SISTEMA RFID NO AEROPORTO DE LAS VEGAS


Por Lucas Rafael



RFID (radio frequency identificacion)  é uma tecnologia que utiliza uma freqüência de rádio para a captura de dados. O mais comum é armazenar dados através de um microchip e colocá-lo em uma etiqueta, animal ou pessoa. 

Essa tecnologia existe desde os anos 40 e veio para complementar à tecnologia do código de barras.  A tecnologia RFID obtém maior vantagem em relação ao código de barras, desde a velocidade de leitura e a distância do leitor e o microchip, além disso,  é possível utilizar a RFID em ambientes que as etiquetas de código de barras comuns poderiam estragar com mais facilidade, como por exemplo, ambiente mais úmido ou de maior dificuldade ao acesso de leitura.

Em 30 de agosto de 2012 o novo Terminal 3 do McCarran International Airport, em Las Vegas, usado para voos domésticos e internacionais, foi inaugurado com um sistema RFID para rastrear as bagagens.  A solução foi fornecida pela Vanderlande Industries, com software integrado ao sistema de gestão do aeroporto, da Technologies Alliant, para ampliar o sistema RFID existente (SWEDBERG, 2012a)

O novo sistema do terminal compreende 55 leitores RFID fixos que monitoram os movimentos de bagagens que passam ao longo da instalação transportadora,  o que inclui 73 desviadores de alta velocidade e 32 carrosséis.

O software fornece ao sistema de triagem três camadas de funcionalidades :  gerenciamento dos dados da bagagem, fornecimento de controles localizados para o sistema de transporte de lógica programável e gerenciamento dos dados de leitura RFID.

O aeroporto utiliza tecnologia UHF EPC Gen 2 dentro Terminais 1 e 3, que também tem a capacidade de gravar dados para as tags a qual é uma tecnologia  que as companhias aéreas poderiam usar para fornecer aos passageiros frequentes etiquetas reutilizáveis que podem ser codificados com dados sobre o destino de uma mala.



Como funciona?

No checkin, um empregado da companhia aérea coloca uma etiqueta com microchip na bagagem do passageiro  com os dados de embarque e o seu destino.  Depois a bagagem é passada por uma triagem no terminal 3 que contém 16 máquinas de triagem alinhadas que verificam cada volume na busca de explosivo antes de encaminhar para o voo correto.

Quando uma mala é colocada no transportador, passa sob um leitor que interroga o identificador único do RFID e encaminha o número de identificação para o software de banco de dados residente no VIBES do aeroporto.

No Terminal 3, o aeroporto também instalou 130 quiosques de auto-check-in onde os passageiros podem imprimir suas próprias tags RFID. Para usar um quiosque, um passageiro deve apresentar o cartão de crédito e pagar uma taxa por mala, se necessário. Com isso, diminui-se o tempo de check-in.





REFERÊNCIAS

O que é RFID. Disponível em:  http://www.gta.ufrj.br/grad/07_1/rfid/RFID_arquivos/o%20que%20e.html.  Acesso em 08 de Abril de 2013.



Aeroporto de Las Vegas amplia sistema para controle de bagagens. Claire Swedberg. Disponível em: http://brasil.rfidjournal.com/estudos-de-caso/vision?9857/ . Acesso em 08 de Abril de 2013.